você está em: Em Pauta / Greve dos caminhoneiros prejudicará desempenho de economia por meses

Greve dos caminhoneiros prejudicará desempenho de economia por meses

Segundo CNI, a confiança de empresários e consumidores piorou com efeitos da mobilização

Greve dos caminhoneiros prejudicará desempenho de economia por meses
As medidas adotadas pelo governo para atender aos pedidos dos caminhoneiros aumentaram as incertezas

Os impactos da greve dos caminhoneiros serão sentidos por muito tempo na indústria e na economia brasileiras. Além da queda na produção, no faturamento e do acúmulo de estoques, a paralisação dos serviços de transporte e as medidas adotadas pelo governo para atender aos pedidos dos caminhoneiros aumentaram as incertezas em relação ao desempenho da economia nos próximos meses.

A confiança de empresários e consumidores piorou com efeitos que podem se tornar duradouros nas decisões de produção, consumo e investimento, diz a publicação Fato Econômico 4, da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Na avaliação da CNI, a Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas é uma intervenção no sistema de formação de preços. Tal prática distorce os preços relativos da economia, diminui a concorrência e promove a informalidade, destaca o Fato Econômico.

O tabelamento, alerta a indústria, também aumentará os custos de produção, reduzirá a competitividade dos produtos brasileiros e, em alguns casos, estimulará a importação de insumos e bens industrializados.

“Além do aumento de custos, a solução para a greve trouxe insegurança aos contratos das empresas com os transportadores e isso terá efeitos a médio prazo para a recuperação da atividade econômica, que já vinha sendo prejudicada pelas incertezas em relação ao quadro eleitoral”, afirma o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

A CNI adverte, ainda, que as medidas que permitiram a redução dos preços do diesel pioraram o débil quadro fiscal do país e impuseram sacrifícios à indústria. Exemplo disso é a redução do Reintegra, que aumentou a tributação das exportações, e a eliminação de outros programas de estímulo à produção industrial, como a reoneração da folha de pagamento de alguns setores.

Fonte: Portal Industriatividade

Compartilhe: