você está em: Trânsito / Multas têm aumento de 66%

Novos valores das multas de trânsito têm aumento de até 66%

Infrações mudam de categoria e ficam bem mais caras

Novos valores das multas de trânsito têm aumento de até 66%

 

Desde o dia 1º de novembro, as multas de trânsito ficaram bem mais pesadas, com aumentos que chegaram a 66%. Além do aumento algumas infrações, como falar ao celular, estacionar em vagas reservadas para idosos e deficientes físicos mudam de categoria. Nesses casos, os aumentos chegam a 244%.

Falar ao celular já é proibido, mas agora, segurar ou manusear o telefone já será uma infração gravíssima. Por isso, a multa vai ser reajustada em 244% e sobe para R$ 293,47. Outra infração muito comum é estacionar o carro em vagas reservadas para idosos ou deficientes. Num local, por exemplo, são duas vagas para idosos. O motorista de um carro tem a autorização, mas o do outro não deixou nada no painel que indique que ele pode estacionar ali. Uma infração grave que passa também a ser gravíssima.

E o motorista que for flagrado dirigindo alcoolizado ou se recusar a fazer o teste do bafômetro vai pagar um preço alto. O motorista assim será multado por infração gravíssima multiplicada por 10: quase R$ 3 mil. Nas estradas, ultrapassagem perigosa como pelo acostamento também será combatida no bolso do motorista com mais rigor: é multa de infração gravíssima multiplicada por cinco. Total: R$ 1,4 mil.

O Departamento Nacional de Trânsito afirma que a intenção dos reajustes não é aumentar a arrecadação. “Respeitar as regras de trânsito é uma questão de respeitar o próximo. É uma questão de cidadania. Quando o indivíduo não respeita por opção própria, as multas mais caras vêm para forçá-lo”, diz Francisco Garonce, coordenador de qualificação do Denatran. Veja o que mudou nos valores de multas:

Infração leve

- De R$ 53,20 para R$ 88,38 (aumento de 66%)
Exemplos: parar sobre a faixa de pedestres ou calçada, usar a buzina em local ou horário proibidos pela sinalização.

Infração média

- De R$ 85,13 para R$ 130,16 (aumento de 52%)
Exemplos: transitar em horário ou local proibidos (o "rodízio" em São Paulo, por exemplo), dirigir com o braço para fora, farol ou lanterna queimados.

Infração grave

- De R$ 127,69 para R$ 195,23 (aumento de 52%)
Exemplos: estacionar sobre faixa de pedestres ou ciclovia, não dar seta, conduzir o veículo em mau estado de conservação (pneu careca, por exemplo).

Infração gravíssima

- De R$ 191,54 para R$ 293,47 (aumento de 53%)
Exemplos: falar ou manusear celular ao volante, estacionar em vagas reservadas para deficientes e idosos, dirigir sem carteira de habilitação, disputar racha (multiplicada por 10), forçar a ultrapassagem em estradas (multiplicada por 10) e recusar fazer o teste do bafômetro (multiplicada por 10).

 

 

 

Compartilhe: